Avaliação das campanhas brasileiras sobre acidentes de trânsito à luz do marketing social

  • Paloma Raissa de Assis Centro Universitário Unihorizontes
  • Caissa Veloso e Sousa Centro Universitário Unihorizontes
  • Luiz Carlos Honório Centro Universitário Unihorizontes
  • Nayara Kelly Batista Centro Universitário Unihorizontes

Resumo

No ano de 2017 foram registrados no Brasil 89.318 acidentes de trânsito, sendo que 6.244 pessoas morreram em consequência desses acidentes. Para reverter essa tendência de fatalidades e reduzir o número de acidentados, o governo promove iniciativas como, por exemplo, as campanhas de condutas seguras no trânsito para tentar conscientizar os motoristas a terem um melhor comportamento ao utilizarem as vias públicas. Nesse contexto, o presente estudo objetivou analisar a percepção de motoristas habilitados, residentes na cidade de Belo Horizonte, estado de Minas Gerais, sobre as campanhas do governo a respeito de condutas seguras no trânsito. A teoria utilizada para fundamentar o estudo foi embasada nos conceitos de marketing social e campanhas publicitárias realizadas pelo Estado na mudança de comportamento dos indivíduos. No que se refere a metodologia, a pesquisa caracterizou-se como descritiva e qualitativa, sendo entrevistados 18 motoristas que possuem carteira de habilitação para a direção de veículos de passeio. Os dados coletados foram submetidos à técnica Análise de Conteúdo.  Dentre os resultados destaca-se que somente as campanhas relacionadas à Lei Seca, lei que proíbe os motoristas de dirigem com qualquer teor alcoólico no organismo, foram reconhecidas pelos entrevistados. A falta de periodicidade das campanhas foi um dos fatores encontrados que resultaram numa menor sensibilização dos motoristas e, portanto, motivo pelo qual ocorre impedimento à mudança comportamental proposta pelo marketing social.


 

Referências

Andreasen, Alan R. "Social marketing: Its definition and domain." Journal of public policy & marketing 13.1 (1994): 108-114.

Andreasen, A.R. (2002). Marketing Social Marketing in the Social Change Marketplace. Journal of Public Policy & Marketing, 21 (1), 3-13.

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo.Lisboa: Edições 70.

Bastos, A. D. F. V., Costa, F. J., & Vasconcelos, M. M. (2017). Consumo de Bebidas Alcoólicas por Jovens: Implicações para o Marketing Social. Revista Brasileira de Marketing, 16(4), 469-486.

Brasil, Ministério dos Transportes. (2002). Manual de procedimentos para o tratamento de locais críticos de acidentes de trânsito. Brasília. Recuperado em 29/03/2019 de http://www.der.mg.gov.br/images/manual_local_critico.pdf

Brasil, Ministério das Cidades. (2011). Pacto Nacional pela Redução de Acidentes – PARADA. Brasília. Recuperado em 10/03/2019 de http://www.taxi457.com.br/projetos/digital/paradapelavida/pacto-interna/?pacto=1776

Castro, I. M., & Santos, P. M. F. (2014).O efeito de campanhas de marketing social com apelos negativos no comportamento de risco das pessoas que ingerem bebidas alcoólicas. In: ENAPG, Belo Horizonte/MG.

Cismaru, M. Lavack, A.M., &Markewich, E. (2009). Social marketing campaigns aimed at preventing drunk driving: A review and recommendations. International Marketing Review, 26(3), 292-311.

Dias, R. G. (2015). O uso de metáforas na análise de eficácia das campanhas de marketing social sobre a prevenção aos acidentes de trânsito: Um estudo de condutores habilitados. 136f. Dissertação de mestrado não-publicada, Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, Brasil.

Dias, R. G., Sousa, C. V, & Batista, N. K. (2018). O Uso de Metáforas na Análise da Eficácia das Campanhas de Marketing Social sobre a Prevenção aos Acidentes de Trânsito: Um estudo com condutores habilitados. In: XXVIII Jornadas Luso-Espanholas de Gestão Científica, Guarda, Portugal.

Engel, J. F., Blackwell, R. D., &Miniard, P. W. (2008). Comportamento do consumidor. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC.

Fontanella, B. J. B., Luchesi, B. M., Saidel, M. G. B., Ricas, J., Turato, E. R., & Melo, D. G. (2011). Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cadernos de Saúde Pública, 27, 388-394.

Fontes, M. (2008). Marketing social: novos paradigmas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Friedman, A. L., Kachur, R. E., Noar, S. M., &McFarlane, M. (2016). Health communication and social marketing campaigns for sexually transmitted disease prevention and control: What is the evidence of their effectiveness? Sexually Transmitted Diseases, 43(2S), S83-S101

Gallopel-Morvan, K., Gabriel, P., Le Gall-Ely, M., Rieunier, S., &Urien, B. (2011). The use of visual warnings in social marketing: The case of tobacco. Journal of Business Research, 64(1), 7-11.

Hershey, C. L., Florey, L. S., Ali, D., Bennett, A., Luhanga, M., Mathanga, D. P., & Ye, Y. (2017). Malaria control interventions contributed to declines in malaria parasitemia, severe anemia, and all-cause mortality in children less than 5 years of age in Malawi, 2000–2010. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, 97(3_Suppl), 76-88.

Huang, Y. Y., Tamas, P. A., & Harder, M. K. (2018). Information with a smile–Does it increase recycling? Journal of Cleaner Production, 178, 947-953.

Hull, S. J., Davis, C. R., Hollander, G., Gasiorowicz, M., Jeffries IV, W. L., Gray, S., & Mohr, A. (2017). Evaluation of the acceptance journeys social marketing campaign to reduce homophobia. American Journal of Public Health, 107(1), 173-179.

Kotler, P. & Roberto, E. (1992). Marketing Social: Estratégias para alterar o comportamento público. São Paulo: Campus.

Kotler, P. (1978). Marketing para organizações que não visam o lucro. São Paulo: Atlas.

Kotler, P. & Lee, N. (2008). Marketing no setor público: um guia para um desempenho mais eficaz. Porto Alegre: Bookman.

Kotler, P. & Lee, N. (2011). Marketing social: influenciando comportamentos para o bem. Tradução Jorge Ritter. Porto Alegre: Bookman.

Kotler; P. &Zaltman, G. (1971). Social Marketing: An Approach to Planned Social Change. Journal of Marketing, Journal of Marketing, 35(3), 3-12.

Ladeira, R.M., Malta, D. C., Morais Neto, O. L. D., Montenegro, M. D. M. S., Soares Filho, A. M., Vasconcelos, C. H., &Naghavi, M. (2017). Road traffic accidents: Global Burden of Disease study, Brazil and federated units, 1990 and 2015. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20, 157-170.

Maio Amarelo. (2015). O Movimento. Recuperado em 10/05/2018 de http://maioamarelo.com/o-movimento/#more-4

Mason, M. (2010). Sample size and saturation in Phd studies using qualitative interviews. Forum qualitative social research, Berlin, 11(3), 1-19.

Minayo, M. C. S. (2017). Cientificidade, generalização e divulgação de estudos qualitativos. Ciência&Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 22(1), 16. 17.

Nomura, J. M. & Souza, M. T. S. (2004). Uma revisão crítica do conceito de marketing social. Revista Gerenciais, 3, 45-52.

Nicholls, J. (2012). Everyday, everywhere: alcohol marketing and social media - current trends. Alcohol and alcoholism, 47(4), 486-493.

Parada. Pacto Nacional Pela Redução de Acidentes. 2018. Movimento maio amarelo pela conscientização no trânsito. Recuperado em 06/04/2019 de https://www.paradapelavida.com.br/movimento-maio-amarelo-pela-conscientizacao-no-transito/

Pereira, M. I. R. (2015). Análise das estratégias de marketing social na prevenção e desincentivo do consumo de cigarro: um estudo com fumantes e não fumantes. Dissertação de mestrado não-publicada, Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, Brasil.

Pereira, J. R., Sousa, C., Shigaki, H. B., & Lara, J. E. (2019). Entre o Bem Estar Social e o Poder Público: uma Análise das Estratégias de Marketing Social em prol da Doação Sanguínea. Revista Brasileira de Marketing, 18(1), 73-85.

Portal do Trânsito. (2017). Número de acidentes e mortes em rodovias federais cai em 2017. Recuperado em 06/04/2019 de http://portaldotransito.com.br/noticias/numero-de-acidentes-e-mortes-em-rodovias-federais-cai-em-2017/

Rezende, L. B. O., Sousa, C., Pereira, J. R., & Rezende, L. D. O. (2015). Doação de órgãos no Brasil: uma análise das Campanhas Governamentais sob a perspectiva do marketing social. Revista Brasileira de Marketing, 14(3), 362-376.

Rothschild, M. L., Mastin, B., & Miller, T. W. (2006). Reducing alcohol-impaired driving crashes through the use of social marketing. Accident Analysis & Prevention, 38(6), 1218-1230.

Sato, T. M. O. (2011). Lei Seca: o princípio constitucional da ofensividade e sua aplicação na natureza típica dos crimes previstos na Lei 11.705/2008. Monografia de Graduação em Direito não-publicada, Universidade Cândido Mendes, Rio de Janeiro, Brasil.

Schneider, G., & Luce, F. B. (2014). Marketing Social: Abordagem Histórica e Desafios Contemporâneos. Revista Brasileira de Marketing, 13(3) 125-137.

Silva, E. C., & Mazzon, J. A. (2016). Plano de Marketing Social para uma Promoção da Saúde: Desenvolvimento de Políticas de Saúde Pública Orientada ao “Cliente”. Revista Brasileira de Marketing , 15 (2), 164-176.

Souza, M. J. B., Chiusoli, C. L., Pacanhan, M. N., Oda, C. M., & Carvalho, J. L. G.(2004). Medicamentos genéricos: um estudo longitudinal da percepção e decisão de compra da população com base no marketing social aplicado às políticas públicas. In: Anais do XXVIII Enanpad, Curitiba, Brasil.

Vale, L. M. E. (2016). Análise das ações de marketing social em prol de um trânsito seguro:a percepção de motoristas habilitados no estado de Minas Gerais. Dissertação de Mestrado não-publicada, Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte, Brasil.

Vranes, A.J., Mikanovic, V.B., Lazovic, J.M., & Kosanovic, V. (2017). Road traffic safety as a public health problem: Evidence from Serbia. Journal of Transport & Health.

Wechsler, H., Nelson, T. E., Lee, J. E., Seibring, M., Lewis, C., & Keeling, R. P. (2003). Perception and reality: a national evaluation of social norms marketing interventions to reduce college students' heavy alcohol use. Journal of Studies on Alcohol, 64(4), 484-494.
Publicado
2019-06-28
Como Citar
DE ASSIS, Paloma Raissa et al. Avaliação das campanhas brasileiras sobre acidentes de trânsito à luz do marketing social. International Journal of Business Marketing, [S.l.], v. 4, n. 1, p. 23-35, jun. 2019. ISSN 2447-7451. Disponível em: <http://www.ijbmkt.org/index.php/ijbmkt/article/view/108>. Acesso em: 24 nov. 2020.
Seção
Artigos