Conhecimento e Redes de Relacionamento na Internacionalização: um estudo de caso na empresa Brazilian Kimberlite Clay

  • Vitoria Nery Santana FECAP
  • Carina Marques Monteiro FECAP
  • Lígia Gomes de Lima FECAP
  • Roberto Falcão UNIALFA

Resumo

De modo geral, as empresas brasileiras tiveram um processo de internacionalização tardio. A abertura das fronteiras do país aumentou o interesse de algumas empresas brasileiras em desenvolver operações internacionais para fugir da competição interna. Neste cenário, o objetivo desta pesquisa é descrever o processo de internacionalização de uma empresa brasileira e, com base nas Teorias Comportamentais, a da Escola da Uppsala e a Teoria de Networks, responder se o desenvolvimento de conhecimento e de redes de relacionamento são eficazes para o sucesso na internacionalização. Optou-se por um estudo de caso único com a empresa BKC, pois: (i) é uma empresa da indústria de higiene pessoal, com um produto raro e inovador; (ii) ela tentou internacionalizar-se sozinha anteriormente, e precisou buscar auxílio de instituições para se capacitar e crescer organizada; e (iii) seu processo de internacionalização foi auxiliado por instituições brasileiras, ligadas à Apex-Brasil e à ABIHPEC. Constatou-se que a internacionalização ocorreu de forma gradual, conforme o modelo de Uppsala. As parcerias também se mostraram importantes, destacando-se as Câmaras de Comércio, a ABIHPEC e o PEIEX, pela familiarização aos costumes e com a cultura local. No entanto, aspectos da teoria relacionados à distância psíquica, pouco explicam a escolha dos países de destino pela empresa. Sua definição aconteceu conforme as oportunidades que surgiam em decorrência dos relacionamentos criados, durante as feiras internacionais, e não de acordo com a proximidade cultural e psicológica.

Referências

ABIHPEC. (2018). Caderno de tendências: Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos 2019-2020. São Paulo.

ABIHPEC. (2018). Panorama do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos 2017. São Paulo.

Andersson, U. (2002). Connected internationalisation processes: the case of internationalising channel intermediaries. International Business Review, 11(3), 365-383.

APEX-Brasil. (s.d.) Abihpec e Apex Renovam Convênio de Internacionalização. Disponível em http://www.apexbrasil.com.br/Noticia/ABIHPEC-E-APEX-RENOVAM-CONVENIO-DE-INTERNACIONALIZAÇÃO

APEX-Brasil. (s.d.). Qualifique sua empresa - PEIEX. Disponível em http://www.apexbrasil.com.br/qualifique-sua-empresa-peiex

BeautycareBrazil. (s.d.). Sobre o projeto. Disponível em http://beautycarebrazil.org.br/sobre.html

Bjorkman, I. & Forsgren, M. (2000). Nordic international business research. International Studies of Management & Organization, 30(1), 6.

Borini, F. M., Fleury, M. T. L., & Oliveira Jr., M. M. de. (2008). Gestão de competências em negócios internacionais. In Dutra, J. S., Fleury, M. T. L., & Ruas, R. (2008). Competências: conceitos, métodos e experiências. São Paulo: Atlas.

Braga, C. (2017). Abihpec e Apex Renovam Convênio de Internacionalização. Brasília: Apex-Brasil. Disponível em https://portal.apexbrasil.com.br/noticia/ABIHPEC-E-APEX-RENOVAM-CONVENIO-DE-INTERNACIONALIZACAO/

Camacho, V. (2017). Geólogo explica a formação das jazidas de argila e kimberlito. Disponível em https://braziliankimberliteclay.com/category/jazida/

Campomar, M. C. (1991). Do uso do "Estudo de Caso" em Pesquisas para Dissertação e Teses em Administração. Revista de Administração, 26(3), 95-97.

Cardozo, S. A., Nascimento, C. A., & Nascimento, K. L. (2018). O sentido da reprimarização da pauta exportadora: uma interpretação à luz de Celso Furtado, Caio Prado e Francisco de Oliveira. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural. Disponível em http://www.sober.org.br/palestra/9/326.pdf

Chiavegatti, D. & Turolla, F. A. (2011). Risco no modelo de internacionalização de Uppsala. Organizações em contexto, São Paulo. Disponível em https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/OC/article/view/2716/pdf_27

Contador, J. C. & Stal, E. (2010). A estratégia de internacionalização da Natura: análise pela óptica da vantagem competitiva. Simpoi 2010. Disponível em https://pt.scribd.com/document/272758111/A-Estrategia-de-Internacionalizacao-Da-Natura-Analise-Pela-Optica-Da-Vantagem-Competitiva

Costa, Y. D. (2019). Argila de MS ganha o “mundo” da limpeza de pele. São Paulo. Disponível em http://www.oestadoonline.com.br/noticia/34275/argila_de_ms_ganha_o_amundoa_da_limpeza_de_pele.htm

Coviello, N. E. (2006). The network dynamics of international new ventures. Journal of International Business Studies, 37(5), 713-731.

Coviello, N. E. & Munro, H. J. (1995). Growing the entrepreneurial firm: networking for international market development. European Journal of Marketing, 29(7), 49-61.

Creswell, J. W. (1994). Research design: qualitative & quantitative approaches. Thousand Oaks, CA: Sage publications.

Cunningham, M. T. (1985). Interaction and networks – a review of the evolution and development of the IMP Group’s research activities from 1976 – 1985. In Open International Imp Research Seminar, Uppsala, Sweden.

Cyert, R. M. & March, J. G. (1963). A behavioral theory of the firm. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall.

Didier, L. (2019). Entrevista concedida a Carina Marques Monteiro e Vitoria Nery Santana. São Paulo.

Elfring, T. & Hulsink, W. (2003). Networks in entrepreneurship: the case of high-technology firms. Small Business Economics, 21(4), 409-422.

Fachinelli, A. C., Luchesi, J. R. S., Crespi, K. M., & Machado, R. (2013). Inteligência competitiva e distância psíquica no setor moveleiro. Revista de Administração FACES Journal, 12(3), 29-43.

Fleury, A. & Fleury M. T. L. (2007). Internacionalização e os países emergentes. São Paulo: Atlas.

Galindo, K. V. C. (2012). O processo de internacionalização de uma empresa brasileira do setor de cosméticos: o caso Aroma do Campo. COPPEAD/ UFRJ.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas.

Investe São Paulo. (2008). Câmaras de comércio. Disponível em https://www.investe.sp.gov.br/invista/informacoes-uteis-1/camaras-de-comercio/

João, B. N., Freddo, A. C., Figueiredo, G. N., & Maiochi, A. P. (2010). Internacionalização na Indústria de Moda: O Caso Zara. Revista Galega de Economía, 19(2). Disponível em http://www.usc.es/econo/RGE/Vol19_2/br/art7p.pdf

Johanson, J. & Mattsson, L. G. (1993). Internationalization in industrial systems – a network approach. In Buckley, P. J. & Ghauri, P. (ed.). (1993). The internationalization of the firm. London: Academy Press, pp. 303-21.

Johanson, J. & Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32.

King, G., Keohane, R. O., & Verba, S. (1994). Designing social Inquiry: scientific interference in qualitiative research. New Jersey: Princeton University Press.

Leutwiler, J. F. P. (2016). Reprimarização da pauta de exportação e a atual inserção internacional brasileira. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Marília.

Madeira, A. B. & Silveira, J. A. G. (2013). Internacionalização de empresas: teorias e aplicações. São Paulo: Saint Paul.

Mattsson, L. G. (1989). Development of firms in networks: positions and investments. Advances in International Marketing, 3, 121-39.

Nascimento, N. F. K. (2012). O processo de internacionalização de uma empresa brasileira do setor de cosméticos: o caso Embelleze. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ, Rio de Janeiro.

Nash, J., Sinott, E., & de la Torre, A. (2010). Natural resources in Latin American and the Caribbean: beyond booms and busts?. Washington: The World Bank. Disponível em http://documents.worldbank.org/curated/en/464161468012034300/pdf/555500PUB0Natu1EPI1991501801PUBLIC1.pdf

Nördstrom, K. A. & Vahlne, J. E. (1994). Is the globe shrinking? Psychic distance and the establishment of Swedish sales subsidiaries during the last 100 years. In International trade: regional and global issues. New York: St. Martin’s Press.

Patton, E. & Appelbaum, S. H. (2003). The case for case studies in management research. Management Research News, 26(5), 60-71.

Penrose, E. (2009). The theory of the growth of the firm. 4 ed. New York: Oxford.

Perrotti, E. & Vasconcellos, E. (2008). Estratégia de internacionalização: o caso da empresa Voith. In: Vasconcellos, E. (Coord.). (2008). Internacionalização, estratégia e estrutura: o que podemos aprender com o sucesso da Alpargatas, Azaleia, Fanem, Odebrecht, Voith e Volkswagen. São Paulo: Atlas.

Root, F. S. (1998). Entry strategies for international markets. San Francisco: Jossey-Bass.

Selltiz, C., Jahoda, M., Deutsch, M., & Cook, S. W. (1974). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU.

Telles, M. (2018). Chega ao Brasil único sérum facial com argila do mundo! Disponível em http://micheltelles.atarde.com.br/chega-ao-brasil-unico-serum-facial-com-argila-do-mundo/

Vasconcellos, E. (2008). Internacionalização estratégia e estrutura: o que podemos aprender com o sucesso da Alpargatas, Azaléia, Fanem, Odebrecht, Voith e Volkswagen. São Paulo: Atlas.

Veiga, P. M. (2002). O viés anti-exportador: mais além da política comercial. Fundação Centro de Estudos do Comércio exterior. Rio de Janeiro.

Whitelock, J. (2002). Theories of internationalization and their impact on market entry. International Marketing Review, 19(4), 342-327.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman.
Publicado
2020-06-27
Como Citar
SANTANA, Vitoria Nery et al. Conhecimento e Redes de Relacionamento na Internacionalização: um estudo de caso na empresa Brazilian Kimberlite Clay. International Journal of Business Marketing, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 85-103, jun. 2020. ISSN 2447-7451. Disponível em: <http://www.ijbmkt.org/index.php/ijbmkt/article/view/144>. Acesso em: 22 out. 2020.
Seção
Jovens Cientistas