Cosméticos sustentáveis: quais fatores influenciam o consumo destes produtos?

  • Beatriz dos Anjos Furtado Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF
  • Danilo de Oliveira Sampaio Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF

Resumo

O presente artigo teve como objetivo identificar os fatores influenciadores do consumo de cosméticos sustentáveis. Este tipo de produto engloba produtos de beleza, perfumaria e higiene com preocupação na formulação, descarte, meio ambiente e vertente social. Este setor é um dos mais rentáveis do Brasil, destacando-se como o quarto maior do mundo e chegando a cerca de R$ 102,3 bilhões ao ano (ABIHPEC, 2019). Os cosméticos sustentáveis devem possuir componentes naturais, orgânicos e livre de matérias-primas não renováveis. Nesta pesquisa exploratória-descritiva, de natureza quantitativa, foram aplicados 529 questionários online com consumidores de cosméticos sustentáveis brasileiros. Os métodos utilizados foram a análise fatorial e alfa de Cronbach. Com 68,04% de variância explicada, 7 fatores foram identificados na fatorial e agregados num modelo final: Saúde (α = 0,864), Vaidade e bem-estar (α = 0,857), Meio ambiente e consciência ética (α = 0,855), Família e amigos (α = 0,798), Embalagem (α = 0,744), Comunicação e distribuição (α = 0,722) e Pessoas próximas e conveniência (α = 0,569). A maioria dos respondentes possui ensino superior, são mulheres adultas jovens e se preocupam com a qualidade, com a melhoria na saúde e com o compromisso dos cosméticos com o meio ambiente e animais.

Referências

ABIHPEC. Do vegano ao sem perfume: indústria de cosméticos aposta em segmentação. Disponível em: Acesso em: 11 jan. 2019.

AJZEN, I. Selected Publications. Disponível em: Acesso em: 30 abr. 2018.

AMATO NETO, J. A era do ecobusiness: criando negócios sustentáveis. Barueri: Manole, 2015.

BEDANTE, G. A influência da consciência ambiental e das atitudes em relação ao consumo sustentável na intenção de compra de produtos ecologicamente embalados. Dissertação de Mestrado. Pós-graduação em Administração, UFRGS. 2004.

CERVELLON, M.; CAREY, L. Consumers’ perceptions of ‘green’: Why and how consumers use eco-fashion and green beauty products. Critical Studies in Fashion and Beauty, v. 2, p. 117-138, 2011.

CLARKSON, C.; et al. Avaliação da influência do marketing digital no setor de cosméticos: técnica no/low poo. Anais do VI ENFEPro. 2016.

CSORBA, L.; BOGLEA, V. Sustainable cosmetics: A major instrument in protecting the consumer’s interest. Regional and Business Studies, v. 3, p. 167-176, 2011.

DIAS, R. Sustentabilidade: origem e fundamentos. São Paulo: Atlas, 2015.

ELKINGTON, J. Enter The Triple Bottom Line – Chapter 1. Disponível em: Acesso em: 16 set. 2017.

ÉPOCA. Havaí sanciona lei que proíbe venda de protetor solar prejudicial a corais. 2018 Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2018.

ESTADÃO. A beleza da sustentabilidade: indústria de cosméticos se reformula para produzir de maneira mais verde. Disponível em: < http://economia.estadao.com.br/blogs/ecoando/a-beleza-da-sustentabilidade-industria-de-cosmeticos-se-reformula-para-produzir-de-maneira-mais-verde/> Acesso em: 30 mar. 2018.

FÁVERO, L. P.; et al. Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

FEIL, A. A.; SCHREIBER, D. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: desvendando as sobreposições e alcances de seus significados. Caderno EBAPE, v. 14, n. 3, jul./set. 2017.

FENKER, E. A. et al. Gestão ambiental: Incentivos, riscos e custos. São Paulo: Atlas, 2015.

FONSECA-SANTOS, B.; CORRÊA, M. A.; CHORILLI, M. Sustainability, natural and organic cosmetics: consumer, products, efficacy, toxicological and regulatory considerations. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 51, n. 1, 2015.

GERHARDT, T.; SILVEIRA, D. (org). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GHAZALI, E. et al. Health and cosmetics: Investigating consumers’ values for buying organic personal care products. Journal of Retailing and Consumer Services, 39, p. 154-163, 2017.

GOLLO, S.; SILVA, A.; LOCATELLI, D.; RANGEL, A. C. Comportamento do Consumidor no Processo de Compra e Consumo de Produtos Sustentáveis. Congresso Internacional de Administração. Ponta Grossa, 2015.

GROHMANN, M., et al. Comportamento ecologicamente consciente do consumidor: adaptação da escala ECCB para o contexto brasileiro. RGSA, v. 6, n. 1, p. 102-116, jan/abr 2012.

HAIR, J. et al. Análise multivariada de dados. 5 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

IBD. Diretrizes para certificação de produtos de saúde e beleza orgânicos e naturais e para matérias primas orgânicas e naturais. 3 ed. Botucatu, 2010.

ISAAC, G. O desenvolvimento sustentável do setor cosmético e o comportamento do consumidor frente aos cosméticos sustentáveis. Dissertação de mestrado. Centro Universitário das Faculdades Associadas de Ensino, 2016.

KIM, H. Y.; CHUNG, J. Consumer purchase intention for organic personal care products. Journal of Consumer Marketing, v. 28, p. 40-47, 2011.

KOTLER, P.; KELLER, K. Administração de Marketing. 14 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

LAASCH, O.; CONAWAY, R. Fundamentos da gestão responsável – sustentabilidade, responsabilidade e ética. 1 ed. Cengage Learning: São Paulo, 2016.

LADEIRA, W.; SANTINI, F.; ARAÚJO, C. Aplicabilidade da Escala ECCB ao Paradigma da Modelagem de Segunda Ordem: uma análise do consumo consciente de cosméticos. RACE, v. 14, n. 2, p. 451-478, maio/ago, 2015.

LAGES, N.; VARGAS NETO, A. Mensurando a consciência ecológica do consumidor: um estudo realizado na cidade de Porto Alegre. Anais do 26º ENANPAD, Salvador, 2002.

LIOBIKIENÉ, G.; BERNATONIENÉ, J. Why determinantes of green purchase cannot be treated equally? The case of green cosmetics: Literature review. Journal of Cleaner Production, 162, p. 109-120, 2017.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 6 ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

MATIĆ, M.; PUH, B. Consumers’ purchase intentions towards natural cosmetics. Econviews, p. 53-64, 2016.

MEDEIROS, H. et al. Influências das mídias sociais na intenção de compra de produtos verdes. Caderno Profissional de Marketing – UNIMEP, v. 5, n. 3, 2017.

MICHAELIDOU, N.; HASSAN, L. The Role of Health Consciousness, Food Safety Concern and Ethical Identity on Attitudes and Intentions towards Organic Food. International Journal of Consumer Studies, v. 2, p. 163-170, 2008.

MOSER, A. Thinking green, buying green? Drivers of pro-environmental purchasing behavior. Journal of Consumer Marketing, v. 32, p. 167, 2015.

O GLOBO. Cosméticos sustentáveis: conheça os desafios dessa indústria para diminuir impactos ambientais. Disponível em: Acesso em: 16 jan. 2019.

PHILIPPI JR., A.; SAMPAIO, C. A.; FERNANDES, V. Gestão empresarial e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2017.

PUDARUTH, S.; JUWAHEER, T.; SEEWOO, Y. Gender-based differences in understanding the purchasing patterns of eco-friendly cosmetics and beauty care products in Mauritius: a study of female costumers. Social Responsibility Journal, v. 11, p. 179-198, 2015.

RIBEIRO, J.; VEIGA, R. Proposição de uma escala de consumo sustentável. Revista Adm., São Paulo, v. 46, n. 1, p. 45-60, 2011.

ROCHA, B. A. Advanced data mining approaches in the assessment of urinary concentrations of bisphenols, chlorophenols, parabens and benzophenones in Brazilian children and their association to DNA damage. Environment International, v. 116, p. 269-277, 2018.

SAMPAIO, D. Intenção de compra e consumo de alimentos orgânicos: um estudo sobre as crenças, atributos e grupos de referência. Tese de Doutorado. UFMG. 2013.

SANTOS, J. et al. Atitude e intenção na compra de produto sustentável. Anais ENGEMA, 2014.

SCHWABL, P. Des microplastiques retrouvés au niveau mondial dans les selles humaines. Une étude pilote. Hegel, v. 8, n. 4, 2018.

SINGHAL, A.; MALIK, G. The attitude and purchasing of female consumers towards green marketing related to cosmetic industry. Journal of Science and Technology Policy Management, 2018.

SOLOMON, M. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 9 ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

STATE OF HAWAII. Prior Session Legislation: Relating to water pollution. 2018. Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2018.

STREHLAU, V. I.; CLARO, D.; LABAN NETO, S. A vaidade impulsiona o consumo de cosméticos e de procedimentos estéticos cirúrgicos nas mulheres? Uma investigação exploratória. Revista Adm., São Paulo, v. 50, n. 1, p. 73-88, 2015.

TAMASHIRO, H. et al. Aspectos determinantes do consumo de produtos cosméticos verdes. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 1, p. 238-262, 2014.

TOZZO, M.; BERTONCELLO, L.; BENDER, S. Biocosmético ou cosmético orgânico: revisão de literatura. Revista Thêma et Scientia, v. 2, n. 1, 2012.

ZENONE, L. C.; DIAS, R. Marketing sustentável: valor social, econômico e mercadológico. São Paulo; Atlas, 2015.
Publicado
2020-06-27
Como Citar
FURTADO, Beatriz dos Anjos; SAMPAIO, Danilo de Oliveira. Cosméticos sustentáveis: quais fatores influenciam o consumo destes produtos?. International Journal of Business Marketing, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 36-54, jun. 2020. ISSN 2447-7451. Disponível em: <http://www.ijbmkt.org/index.php/ijbmkt/article/view/145>. Acesso em: 09 ago. 2020.
Seção
Artigos