Diga-me o que consomes que te direis se é luxo original ou falsificado

uma análise da identidade dos consumidores

Autores

  • Camila Paulus Link FAI Faculdades
  • Nathalia Berger Werlang FAI Faculdades

Palavras-chave:

Comportamento do Consumidor, comportamento do consumidor, Luxo falsificado, luxo falsificado., Acessibilidade, Acadêmico

Resumo

O expressivo avanço do consumo de marcas de luxo no mundo dos negócios fez com que o mercado despertasse para o posicionamento das marcas na mente do consumidor e criasse escolhas de produtos de luxo acessível, ampliando assim a faixa de público consumidor de produtos de luxo falsificados. Sendo assim, este estudo tem como objetivo compreender a identidade cultural dos consumidores de produtos de luxo falsificado a partir da análise do discurso de acadêmicos de uma instituição de ensino superior. Esta pesquisa é de abordagem qualitativa e foi realizada por meio de um grupo focal, que teve uma amostragem de 31 acadêmicos. O material foi tratado de forma interpretativa, por meio da análise de conteúdo. Como principais resultados, emergiram diferentes identidades culturais que puderam ser evidenciadas e definidas como: consumistas, materialistas, corretos, impulsivos, controlares, provocadores e hipócritas. Todas ficaram apareceram em função das respostas apresentadas pelos participantes, que afirmaram consumir produtos de luxo falsificado principalmente devido a esse ser mais acessível.

Referências

ALLÉRÈS, D (2000). Luxo... estratégias/ marketing. Rio de Janeiro: Editora FGV.

ANDRADE, G. (2011). Os discursos no mercado de luxo e sua relação com o consumo no Brasil. Monografia (Bacharel em Administração)- Fundação Educacional Serra dos Órgãos. Teresópolis.

ARAÚJO, M. (2012). Marcas de luxo versus contrafação: motivações de escolha. Tese (Mestrado em Administração)- Universidade Católica Portuguesa, Porto- Faculdade de Economia e Gestão.

BACHA, M.; STREHLAU, S.; STREHLAU, V. (2013). Proposta de segmentação para usuárias de bolsas de marcas de luxo falsificadas. PMKT Ciência.

BARDIN, L.(2002) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BAUMAN, Z. (2005) Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CAMPOS, E.; YOSHIDA, S. (2014). O mapa do mercado de luxo no Brasil. Recuperado em 02 novembro,2014, de http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/0,,ERT127499-16357,00.html

CARVALHO, S. (2010). As 10 marcas de luxo mais desejadas pelos brasileiros. Recuperado em 07 outubro, 2015, de http://exame.abril.com.br/blogs/o-negocio-e-lista/2010/08/13/as-10-marcas-de-luxo-mais-desejadas-pelos-brasileiros/

COLLIS, J.; HUSSEY, R. (2005). Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós graduação. 2. Ed., Porto Alegre: Bookmann.

COMMURI, S. (2009). The impact of counterfeiting on genuine- item consumers’ brand relationships. Journal of Marketing.

DIÁRIO do Nordeste. (2011). 57% da população ja compraram item pirata. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/57-da-populacao-ja-compraram-item-pirata-1.750188

EISEND, M. SCHUCHERT,P. (2006). Explaining Counterfeit Purchases: A review and preview. Academy of Marketing Science Review. N. 12.

ESHOJE. (2015). Onda das réplicas: 69% dos consumidores já compraram produtos falsificados. Recuperado em 05 outubro, 2015, de http://www.eshoje.jor.br/_conteudo/2015/05/economia/29784-onda-das-replicas-69-dos-consumidores-ja-compraram-produtos-falsificados.html

FEMININAS, Finanças. (2015). Classe C consome 44% da renda mensal com artigos de luxo. Recuperado em 12 outubro, 2015, de http://financasfemininas.uol.com.br/classe-c-consome-44-da-renda-mensal-com-artigos-de-luxo/

FERREIRA, J. et al. (2013). O Mercado de Luxo do Rio de Janeiro: uma Análise da Percepção das Consumidoras Cariocas. Revista ADM. MADE, v. 17, n. 1, p. 66–84.

GALHANONE, R. F. (2008). Atitudes, emoções e comportamento de compra: Um estudo com consumidores de produtos de luxo ou sofisticados. Monografia de Pós- Graduação em Administração- Universidade de São Paulo. São Paulo.

GIESBRECHT, C. (2010). O consumo de marcas consagradas no mercado pirata. Dissertação de mestrado- Administração- Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

GIGLIO, E. M.; RYNGELBLUM, A. L. (2007). A lógica da estratégia de combate do governo e das empresas ao mercado pirata: Uma análise a partir dos interesses e motivos dos consumidores. Revista eletrônica de negócios internacionais da ESPM, São Paulo, v. 2, n.1, p. 144- 166, jan/jun.

GODOY, A. S. (1995). A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. Revista de Administração de empresas, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 65-71, jul./ago.

HALL, S. (1999). A identidade cultura na pós- modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro. 3. Ed. Rio de Janeiro.

LIBARDI, N., S.; LARUCCIA, M. M. (2014). O mercado pirata e seu impacto aos seus consumidores e às marcas legítimas. Revista Diálogos Interdisciplinares, v. 3, n.3.

MAIA, P. (2013). O significado do falsificado: estudo do comportamento da consumidora de bolsas. Graduação em Administração- Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade- Universidade de Brasília, Brasília.

NUNES, W. (2009). O Mercado de bens de luxo. Monografia (Graduação de Ciências Econômicas)- Faculdade de Ciências Econômicas- Departamento de Economia- Universidade Federal do Rio Grande do Sul- UFRGS, Porto Alegre.

PORTUGAL, R. (2014). Crimes de Violação de Direitos de Propriedade Industrial e

questões relativas ao combate à falsificação. Recuperado em 23 maio, 2014, de http://www.emerj.tjrj.jus.br/serieaperfeicoamentodemagistrados/paginas/series/3/Combate_a_Pirataria_e_Agressao_240.pdf

RODRIGUES, C. (2013). Os determinantes da atitude face aos bens de luxo: Um estudo com o consumidor LGBT. Tese ( Mestrado em Marketing)- Faculdade de Economia- Universidade de Coimbra, Coimbra.

SILVA, L. (2012). Desmistificação do Luxo: Um estudo sobre as motivações de compra de réplicas. Tese (Mestrado em Administração)- Faculdade Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

STREHLAU, S; PETERS, F., (2006). Theodoro, A. Valor para o cliente de artigos de luxo falsificados: Entre o blefe e o prestígio. Anais 2º EMA, Rio de janeiro.

TERRES, M. et al. (2010). O que reluz, definitivamente, não é ouro. IV Encontro de Marketing, Florianópolis, 2010. Anais EnANPAD, Florianópolis.

WEIRICH, C. (2011). Análise das motivações de compra da consumidora de produtos de moda feminina de luxo. Dissertação de mestrado- Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu.

WOODWARD, K. (2009). Identidade e Diferença: Uma introdução teórica e conceitual. 9. Ed. Petrópolis: Vozes.

Downloads

Publicado

2018-02-01

Como Citar

Link, C. P., & Werlang, N. B. (2018). Diga-me o que consomes que te direis se é luxo original ou falsificado: uma análise da identidade dos consumidores. International Journal of Business Marketing, 3(1), 055–068. Recuperado de https://www.ijbmkt.org/ijbmkt/article/view/32

Edição

Seção

Artigos