Panorama das plataformas digitais de consumo colaborativo no brasil

uma análise descritiva

Autores

  • Bibiana Giudice da Silva Cezar Universidade Federal do Pampa
  • Marina Valim Bandeira
  • Filipe Mello Dornelles
  • Matheus de Mello Barcellos
  • Kathiane Benedetti Corso

Palavras-chave:

Consumo Colaborativo, Plataformas Digitais, Aplicativos Móveis, Sites

Resumo

Tendo em vista o crescimento do consumo colaborativo e o avanço das tecnologias da informação, em especial das plataformas digitais, a presente pesquisa tem como objetivo geral identificar a distribuição das plataformas digitais de consumo colaborativo no Brasil. Para tal, realizou-se um levantamento de dados secundários de caráter descritivo e abordagem quantitativa, cuja fonte de dados foi o diretório de plataformas digitais de consumo colaborativo do site Consumo Colaborativo (2017), sucedendo em 104 plataformas digitais com atividades no Brasil analisadas. Como resultado concluiu-se que dentre as plataformas digitais analisadas, a maioria é do tipo website e pertencem ao sistema de Estilos de Vida Colaborativos. Foram encontradas 25 categorias diferentes de plataformas de consumo colaborativo, destacando-se as categorias Crowdfunding, Aluguel Entre Pares e Mapeamento Colaborativo que apresentaram uma maior frequência de observações. Por fim, pode-se dizer que o Brasil está acompanhando a ascensão da prática do consumo colaborativo apoiada pelas plataformas digitais.

Referências

Almeida, M. R. (2010). O tempo como moeda de valor na cultura digital. Contemporânea,7(1), 40–50.

Alves, A. P. F., Yamim, A. P., & Salles, A. C. (2014). Curtir, Compartilhar, Trocar: um estudo sobre valores e atributos do consumo em brechós de redes sociais.

Barbieri, N. N. (2015). Consumo colaborativo em uma plataforma de social commerce: estudo de caso do site de compras e vendas Enjoei. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Belk, R. (2014). You are what you can access: Sharing and collaborative consumption online. Journal of Business Research, 67(8), 1595–1600.

Botsman, R. & Rogers, R. (2011). O Que é Meu é Seu: Como o Consumo Colaborativo Vai Mudar o Nosso Mundo. Porto Alegre: Bookman.

Briz-Ponce, L., Pereira, A., Carvalho, L., Juanes-Méndez, J. A., & García-Peñalvo, F. J. (2017). Learning with mobile technologies–Students’ behavior. Computers in Human Behavior, 72, 612–620.

Castells, M. (2005). A Sociedade em rede. Paz e Terra. São Paulo.

Castro, F. G., Gonçalves, B. S., & Figueiredo, L. F. (2017). Mapeamento de características de sites de compartilhamento de refeições baseado no Modelo 3C de Colaboração. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 7(1), 29–42.

CONSUMO COLABORATIVO. Guia Consumo Colaborativo e Economia Compartilhada. 2017. Recuperado em 2 de junho, 2017. http://consumocolaborativo.cc/diretorio/

Costa, A. M. N. (2002). Revoluções tecnológicas e transformações subjetivas. Psicologia: teoria e pesquisa, 18(2), 193–202.

Fung, A. (2017). The Impact of the Rise of Mobile Games on the Creativity and Structure of the Games Industry in China. Mobile Gaming in Asia. Springer Netherlands, 91–103. 2017.

Germano, E. C.; Souza, C. A (2016). Só mais uma startup no tema mobilidade humana. Revista brasileira de Casos de Ensino em Administração, v. 6, n. 1, p. 1–6, Jan/jun.

Jiang, B., & Tian, L. (2016). Collaborative consumption: Strategic and economic implications of product sharing. Management Science.

Lecheta, R. R. (2014). Desenvolvendo iPhone e iPad. 3.ed. São Paulo: Novatec Editora.

Levy, P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

Lunardi, G. L.; Dolci, D. B.; Wendland, J. (2013). Internet Móvel nas Organizações: Fatores de Adoção e Impactos sobre o Desempenho. Revista de Administração Contemporânea, 17(6), 679, 2013.

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman.

Santos, M. R., Mello, T. M., & de Miranda, A. R. (2016). Fatores Determinantes Da Utilização De Aplicativos Em Dispositivos Móveis: Um Estudo Da Percepção De Estudantes Universitários.

Market Analysis. (2017). Radar de Consumo Colaborativo no Brasil. Recuperado em 22 de agosto, 2017, http://marketanalysis.com.br/wp-content/uploads/2017/06/20170526-Radar-de-Consumo-colaborativo-2017-Market-Analysis.pdf.

Megido, V. F. (2017). A revolução do design: Conexões para o século XXI. Editora Gente Liv e Edit Ltd.

Moura, D. (2013). Cibercultura: notas sobre smartphone, adolescência e memória. Temática, 9(7), 2013.

Oelrich, A. (2016). Desvendando o consumo colaborativo e o seu estímulo ao consumo de vestuário. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Oghuma, A. P., Libaque-Saenz, C. F., Wong, S. F., & Chang, Y. (2016). An expectation-confirmation model of continuance intention to use mobile instant messaging. Telematics and Informatics, 33(1), 34–47.

Oliveira, F., & Pasqualini, K C. (2014). Os dependentes de internet no Brasil: realidade ou mito entre os universitários. Mimesis, Bauru, 35(1), 95–140.

Paixão, C. R. & de Sousa, R. P. L. (2015). Consumo Colaborativo: Tendência de construção de conhecimento e negócios no mercado digital de produtos usados. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(2), 170–185.

Recuero, R. (2009). Redes Sociais na Internet. Sulina: Porto Alegre.

Richardson, R. (2012). Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2012.

Rivera, J., Gordo, Á., Cassidy, P., & Apesteguía, A. (2017). A netnographic study of P2P collaborative consumption platforms’ user interface and design. Environmental Innovation and Societal Transitions, 23, 11–27.

Sampieri, R.; Collado, C.; Lucio, M. P. (2013). Metodologia de Pesquisa. 5 ed. Porto Alegre: Penso.

Santos, A. R. P., Oliveira, A. T., Haberli Jr., C., Rodrigues, C. P., Taranto, F. C., Godoy, J. T. B., Ariente, M. S., Oliveira, M. E. R., Casadei, M. A. A., Ferruzzi, M. A., Padula, M., Nicoluci, M. V., Pizzinato, N. K. & Farah, O. E. (2006). Planejamento de marketing e de negócios na Internet: uma análise da prestação de serviço na visão dos consumidores on-line. In: Antonio Carlos Giuliani. (Org.). Marketing Contemporâneo: novas práticas de gestão. São Paulo: Editora Saraiva, 159–187.

Silva, M. M., & Santos, M. T. P. (2014). Os paradigmas de desenvolvimento de aplicativos para aparelhos celulares. Revista TIS, 3(2).

Soares, M. G. P. (2010). A mulher na sociedade da comunicação ciberdigital. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

TORRES, Claudio (2009). A bíblia do marketing digital: tudo o que você queria saber sobre marketing e publicidade na internet e não tinha a quem perguntar. São Paulo: Novatec.

Turchi, S. (2011). O comércio nas redes sociais. In: Pequenas empresas, grandes negócios. Recuperado em 30 de junho, 2017, de http://goo.gl/uK8TIX.

Vallor, S. (2013). Flourishing on facebook: virtue friendship & new social media. Ethics and Information technology, v. 14, n. 3, p. 185–199, 2012.

Zhou, T. (2013). An empirical examination of continuance intention of mobile payment services. Decision Support Systems, 54(2), 1085–1091.

Downloads

Publicado

2018-02-01

Como Citar

Cezar, B. G. da S., Bandeira, M. V., Dornelles, F. M., Barcellos, M. de M., & Corso, K. B. (2018). Panorama das plataformas digitais de consumo colaborativo no brasil: uma análise descritiva. International Journal of Business Marketing, 3(1), 040–054. Recuperado de https://www.ijbmkt.org/ijbmkt/article/view/66

Edição

Seção

Artigos